Social Media Icons

Top Nav

EMIL BOHINEN

jan. 27, 2021 0 comments
EMIL BOHINEN

PARTICULARMENTE COMPLETO, EMIL BOHINEN É O TIPO DE JOGADOR CAPAZ DE PROTAGONIZAR QUALQUER FUNÇÃO DE MEIO CAMPO QUE LHE SEJA PEDIDA. UM JOGADOR CADA VEZ MENOS CONHECIDO POR SER FILHO DE UMA LENDA, E CADA VEZ MAIS COMO, ELE PRÓPRIO, UMA LENDA EM ASCENSÃO.

Emil, filho de Lars. Herdeiro da casa real Bohinen. Como boa realeza, o nome merece reverência. Não deve ser tratado de igual forma, comparado com outros. Emil não é um qualquer. É filho de Lars, lenda norueguesa dos anos 90, meia centena de vezes internacional pelo seu país. O homem que um dia se recusou a jogar contra a França por esta ter iniciado testes militares com tecnologia nuclear ao largo do Pacífico Sul. Mas, se até há pouco tempo, Emil não era muito mais do que isso, que já não é pouco, hoje, o nome fala por si só. Emil Bohinen é um dos mais promissores jogadores do futebol europeu. Podem acreditar no hype.

Durante meses, anos até, Emil Bohinen viveu na sombra do nome do pai. Com passagem de vários anos por Inglaterra e ainda mais temporadas ao serviço dos maiores clubes noruegueses, Lars Bohinen foi um dos jogadores mais importantes da história recente do futebol norueguês. Agora, com duas temporadas ao mais alto nível na Eliteserien ao serviço do Stabæk Fotball, Emil Bohinen pode responder somente pelo seu nome. Afinal, nessas mesmas duas temporadas, assumiu-se como um dos melhores médios a atuar no país Natal. E, no caso da Noruega, face à geração que aí vem e já começa a dar cartas, isso é dizer muito.

Emil Bohinen construiu o seu próprio nome ao longo dos últimos meses. Nascido e criado para o futebol no Stabæk Fotball, clube sediado em Bærum, nos arredores de Oslo, Bohinen apenas conheceu as cores preto e azul na ainda curta carreira. Bohinen tinha 18 anos quando se estreou pelo clube e depois de três pequenos cameo em 2017, e de onze aparições na temporada seguinte, o talentoso médio teve de esperar até 2019 para se assumir de vez como figura na equipa dos arredores da capital norueguesa. Bohinen podia até ser filho de Lars, mas isso não lhe facilitou a trajetória quando o futebol começou a doer.

Ao lado de Hanche-Olsen, Ola Brynhildsen e Hugo Vetlesen, Emil Bohinen fez parte de uma mini geração de ouro a nível local e, hoje, só ele resta no clube. Certamente não por muito tempo, ainda para mais, depois de ter voltado a ser uma das figuras da Eliteserien em 2020 – chegou a ser apontado a Leeds United e Sheffield United tendo mesmo cumprido testes neste último, acabando por não ficar. Se a temporada começou a carburar lentamente para o jovem médio de 21 anos, 2020 terminou em grande para Emil Bohinen. Ao todo, o jovem médio apontou cinco golos e contribuiu com assistências para outros dois, acabando a época a envergar a braçadeira de capitão na melhor exibição da época do Stabæk que terminou com um triunfo por 4-0 sobre o Strømsgodset IF.

Em duas temporadas ao mais alto nível, Emil Bohinen colecionou já nove golos e dez assistências na Eliteserien, números sintomáticos da capacidade de decisão que o jovem médio traz ao jogo e, esta temporada, mais do que na anterior, pisando terrenos mais recuados. Em metade dos jogos efetuados por Emil Bohinen em 2020, o médio foi mais defensivo que ofensivo, mas sempre pautando o seu jogo com uma enorme criatividade, e com a visão de jogo e elegância que lhe são características.

Internacional jovem pela Noruega em todos os escalões de formação (dos Sub-16 aos Sub-21), Emil Bohinen faz parte da geração de ouro que vai surgindo no futebol norueguês, ao lado de nomes como Erling Haaland, Martin Ødegaard, Kristoffer Ajer ou Sander Berge, mas, agora, também, Jens-Petter Hauge, depois da explosão do jovem extremo que culminou com a sua chegada a Milão. Bohinen é, por isso, mais um exemplo da impressionante profundidade de talento que existe atualmente na Noruega e o espécime perfeito da mudança de perfil dos médios que têm sido formados no país nos últimos anos. Médios criativos, de grande inteligência, maturidade e cultura tática. Médios altamente técnicos e com um perfume e classe distintivos. Juntando a tudo isto um pé esquerdo capaz de decidir jogos.

Aos 21 anos, Emil Bohinen é um dos jogadores mais cobiçados do futebol norueguês e será uma surpresa de iniciar a nova temporada ao serviço do Stabæk. Incrivelmente completo, foi um dos médios com maiores índices defensivos e ofensivos da Eliteserien passada. Não só registo números impressionantes em matéria de recuperações de bola por jogo e de interceções efetuadas no último terço do campo, como foi também um dos jogadores da Eliteserien com os registos mais altos em matéria de acerto de passe. Já se conhecia a faceta ofensiva de Emil Bohinen, mas são os registos defensivos que mais têm impressionado nos últimos meses, revelando um médio tão tenaz, como criativo, corrigindo uma das principais lacunas que lhe eram apontadas – a outra, mais difícil de alterar, prende-se com alguma falta de explosividade e de aceleração em espaços curtos.

Emil Bohinen faz tudo, e faz praticamente tudo bem. Ideal para um meio campo a dois – principalmente em equipas que protagonizem uma transição defensiva proativa com uma contra pressão eficaz -, é particularmente impressionante a quantidade de terreno coberta por Bohinen, a sua agressividade defensiva, enquanto mantém sempre um elevado índice de criatividade no seu jogo. Emil Bohinen é aquele raro jogador que até a destruir tem classe. Com bola, Bohinen também revela a sua multiplicidade de argumentos. Além de ter terminado a época com uma taxa de acerto no passe a rondar os 90%, foi também um dos jogadores que acumulou um maior número de metros de progressão com bola, em condução. Só sete jogadores terminaram a Eliteserien com uma eficácia no drible superior à conseguida por Bohinen.

Do alto do seu metro e oitenta e cinco, Emil Bohinen tem uma elegância distintiva, mas acima de tudo uma passada larga que torna particularmente difícil a missão de lhe roubar a bola. Com uma inteligência e visão de jogo muito acima da média, é um médio perfeito no controlo dos tempos de jogo. Quando acelerar. Quando acalmar. Taticamente culto, tem uma inteligência posicional assinalável, personificando de forma perfeita a ideia de que não é preciso correr muito, é preciso, sim, correr bem. Sem grande esforço, Emil Bohinen está quase sempre no sítio certo à hora certa. Característica fundamental para o elevado número de recuperações de bola que efetua por jogo por intermédio da interceção, culpa, também, da brilhante leitura de jogo que lhe é característica.

Particularmente completo, Emil Bohinen é o tipo de jogador capaz de protagonizar qualquer função de meio campo que lhe seja pedida. Não é por acaso que na sua ascensão a figura chave no Stabæk, o jovem médio tenha passado pelas posições mais distintas antes de se fixar como o pivot defensivo do meio campo a três da sua equipa, posição na qual, efetivamente, se parece sentir mais confortável e, acima de tudo, se assume como um jogador diferenciado. Um jogador na onda de Matic, Rodri ou Fabian Ruiz. Um jogador cada vez menos conhecido por ser filho de uma lenda, e cada vez mais como, ele próprio, uma lenda em construção.

Comentários

Related Posts

{{posts[0].title}}

{{posts[0].date}} {{posts[0].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[1].title}}

{{posts[1].date}} {{posts[1].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[2].title}}

{{posts[2].date}} {{posts[2].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[3].title}}

{{posts[3].date}} {{posts[3].commentsNum}} {{messages_comments}}

Recent Comments

Formulário de Contacto